Convite Exposição Cabelaço: Meu cabelo é bom, ruim é o racismo!

De 22 a 31 de julho, em Brasília, o VI Festival da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha, Latinidades, vai apresentar a Exposição Fotográfica Colaborativa Cabelaço, composta por trinta fotos de cabelos e penteados afro.

cabelaco

A inspiração para a exposição vem do projeto Cabelaço, ato politico cultural realizado peridiodicamente pela Irmandade Pretas Candangas, grupo de mulheres negras ativistas do Distrito Federal. O ato é geralmente realizado na Rodoviária do Plano Piloto, por onde passam diariamente mais de seiscentas mil pessoas, vindas de todas as Regiões Adminsitrativas. Envolve música, capoeira, break, poesia, samba de roda e outras manifestações e linguagens artísticas negras, para chamar atenção contra o racismo e homenagear personagens e fatos históricos relacionados ao calendário afro-brasileiro. A ideia é dar destaque para a questão da estética e auto-estima do povo negro, com o mote das apresentações, que acompanham frases declamadas e levantadas em faixas, bandeiras, megafones, pedaços de papel, lambe-lambes e o que mais surgir de recursos, tendo como slogan: Meu cabelo é bom, ruim é o racismo”.

Enquanto mulheres e homens negr@s, de todos os tons de pele, ainda sofrem por carregarem cabelos crespos ou mesmo cacheados e tem sua auto-estima deteriorada por um padrão de beleza racista, a pauta dos cabelos crespos é extremamente cara e se destaca cada vez mais entre os temas dos movimentos sociais e culturais negros.

Interessadas/os em participar poderão encaminhar fotos de 5 até 10mega, CMYK 300dpi, para o e-mail exposicao.cabelaco@gmail.com com título e créditos da/o fotógrafa/o. Não é necessário ser profissional. As trinta melhores fotos irão compor a exposição, que se destina a brindar a beleza, diversidade e possibilidades estéticas de cabelos, cortes e penteado afro-brasileiros.

Serviço: (061) 3233 6230 / exposicao.cabelaco@gmail.com


Colaborou com o Blogueiras Negras o coletivo Pretas Candangas.

You May Also Like
Leia mais

Cinema brasileiro prefere atrizes brancas

Diretores do cinema nacional, as negras são mulheres lindas, excelentes profissionais. São professoras, médicas, advogadas, chefes de cozinhas, enfermeiras, engenheiras, motoristas, empresárias, rappers, escritoras, jornalistas, floristas, desenhistas, poetas, cobradoras de ônibus, feirantes, esportistas, donas de casa. Compõem o cenário profissional médio de enorme importância para o superávit da economia nacional. Pagam impostos, são mães, avós, amantes, tias, têm famílias e atrizes talentosas.
Leia mais

Pretas e sapatão, UNI-VOS: Exposição das obras de Zanele Muholi e Thembela Dick no Instituto Goethe

Zanele Muholi e Thembela Dick, duas artistas sul-africanas que fizeram de seu trabalho um ativismo em prol da visibilidade das minorias excluídas da sociedade, estarão aqui em São Paulo, ao vivo. Em carne e osso. AS DUAS! Sim, com direito a conversa com o público depois da exposição das obras.