E foi isso que vi na Dra. Katleen: paixão. Paixão pelo que faz. Paixão em ser negra. Paixão por nós, mulheres negras.

Entrevistar a Dr. Katleen foi uma experiência muitíssimo agradável desde o começo. Na sala de espera, que eu dividia com pacientes dela e de outras dermatologistas, a voz que se ouvia era da Dra: falando alto, brincando, zoando as pacientes (“Você vai fazer a pele, né? Não? Cabelo? Por quê??? Não!! Você vai fazer a pele porque ela tá horrorosa, o cabelo tá lindo! Aqui, passa a anestesia no rosto dela… Não… você vai fazer a pele!”).

Já dentro da sala dela, muito bem recepcionada pela Dra, ela fez questão de me deixar muito à vontade, tirando meu receio de estar ali atrapalhando uma dermatologista “global”, entrevistada por Grazi Massafera e Fátima Bernardes: “para com isso! Eu sou de todo mundo!” foi o que ela disse no finalzinho da entrevista, aludindo a uma possível postura esnobe de sua parte por causa desse histórico de entrevistas.

Aliás, o material que a Dra. Katleen dispôs pra gente, e que vocês conferem no vídeo, é muito mais do que havíamos planejado. “Havíamos” eu e todas as participantes do grupo Blogueiras Negras que sugeriram perguntas a serem feitas. Já adianto que dois fatores impossibilitaram que todas as perguntas fossem feitas. O primeiro foi o tempo: a Dra. Katleen ainda tinha duas pacientes, e eu não poderia me demorar muito na entrevista (apesar de ela ter me deixado à vontade para escolher ficar e fazer a entrevista depois que ela atendesse as pacientes. Mas, infelizmente, era eu que não podia ficar até tarde). O segundo é quase uma decorrência do primeiro, porque haveria tempo para fazer todas as perguntas, mas a Dra. Katleen FALA MUITO! E isso foi MARAVILHOSO, porque na primeira pergunta – sobre sua trajetória na Universidade – ela já falou sobre pressão e cobrança familiar, estereotipação, lugares (não se espera) que um negro ocupe, reprodução de racismo, auto-estima da mulher negra, cabelo, relacionamento interracial…. Gente, quase onze minutos que me deixaram hipnotizada. Eu me identifiquei em vários momentos com a fala dela (quando ela diz que botou tranças), com ela falando, por causa dessa habilidade de emendar um assunto no outro e ir falando e se empolgando como nós fazemos quando alguma coisa verdadeiramente nos apaixona.

E foi isso que vi na Dra. Katleen: paixão. Paixão pelo que faz. Paixão em ser negra. Paixão por nós, mulheres negras.

Uma coisa que me chamou muita atenção foi a Dra. falar em certos momentos que era “o mordomo da Casa Branca” (em referência ao filme estrelado por Forest Whitaker e que conta a história de um mordomo negro que serviu a presidentes americanos de 1957 a 1986). Inclusive, a primeira vez em que ela se diz “o mordomo”, ela explica o porquê de não atender mais em Madureira. Ao contrário do que quis dar a entender a ilustre dona Regina Casé, a Dra. Katleen não “trabalha num consultório na periferia” e sim “no Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, na clínica dermatológica mais top” não por elitismo ou coisa parecida. Muito pelo contrário.

Entre frases impactantes e perguntas retóricas, Dra. Katleen mostrou que as cessões feitas por nós, mulheres negras, a uma sociedade racista não são – nem de longe – uma “traição” a nossa raça, ou uma reprodução de racismo. Na verdade, cedemos para sobrevivermos, para não sofrermos represálias; cedemos para mantermos nossos empregos, para não sermos zoadas na escola, para sermos mais populares, ou menos invisíveis. E não é diferente pra quem é uma dermatologista conceituada e que atende numa clínica na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Espero que vocês gostem desse trabalho feito em conjunto do Blogueiras Negras. e fiquemos de olho, porque a Dra. Katleen prometeu novidades!

 

You May Also Like

Futebol, racismo e blackface

Deixo claro o nojo da população negra ao racismo praticado contra o jogador, achamos indispensável o enfreamento do problema por todos os grupos étnicos e classes sociais, afinal racismo não é problema de preto. É o câncer de uma sociedade que mata o mesmo jovem preto que usa nas suas campanhas eleitorais. A luta é necessária e muito urgente mas precisa ser honesta, queremos o menos hipocrisia possível.

A policia bate, espanca, mata muito mais a minha cor do que a sua

Eu tô falando com vocês que estão ávidos pela redução da maioridade penal. Eu tô falando com vocês que não veem cor, que não veem classe social. Que querem justiça independentemente de cor ou classe. Vocês precisam entender de uma vez por todas que se vocês se negam a enxergar e negam todo um contexto social que a polícia não nega. Alias, a polícia sabe direitinho a quem abordar, como abordar, e o que fazer quando a abordagem dá errado.