É preciso falar sobre nós, mulheres pretas

“Quando nos definimos, quando eu defino a mim mesma, quando defino o espaço onde eu sou com você e o espaço onde não sou, não estou negando o contato entre nós, nem estou te excluindo do contato – estou ampliando nosso espaço de contato”.

Audre Lorde

Nos últimos meses, quando encontro a oportunidade de dialogar com minha mãe e outras mulheres pretas, sinto um alívio na alma e coragem para construir cada novo dia. Essa atitude é de suma importância para nós mulheres negras, cada vez que encontramos espaços não opressores para falar/ouvir sobre nossas questões afetivas, estéticas e psicológicas abre-se um mundo que nos apresenta as diversas identidades presentes em nós que favorecem nosso movimento.

Sendo o encontro umas com as outras, um momento que propícia a empatia, alteridade e identificação, já que nossas histórias se cruzam nas peculiaridades individuais que possibilitam ressignificações de suas experiências emocionais/afetivas e sociais (Pacheco, Ana Cláudia Lemos). Tais ressignificações somam no processo de descolonização das mentes e no tornar-se negra!

A partir disso, o ato de expormos nossas inseguranças, anseios, perspectivas e afins, pode ser uma forma de cura do peso secular que o racismo e o machismo depositam em nós continuamente com estratégias variadas ao longo do tempo.

Assim, observa-se que tem se tornado crescente, tanto no âmbito virtual, quanto no presencial a viabilização do diálogo entre as pretas – visto em rodas de conversas organizadas em diferentes locais no último mês de março, em uma delas Conceição Evaristo, no auditório do Ibirapuera mencionou a relevância do coletivo, a necessidade do não caminhar sozinhx.

E a partir do entendimento de que o coletivo impulsiona nossos passos, compreendo que em cada silenciamento há um grito de revolta, e quando há a possibilidade de ouvir e falar por nós mesmas levantamos cada vez mais a consciência coletiva de que não estamos sós. Falar de nossas especificidades é alimento da força motriz, é um ato político, já que cotidianamente é visível o abrandamento de nossas manifestações e posicionamentos.

A sociedade não deve nos obrigar á superar as opressões caladas. Entende-se que nesse contexto, somos fortes à ponto de nos reconhecer umas nas outras dentro de uma sociedade que deslegitima a todo instante nossas pautas e tentam calar nossas vozes, num legado histórico que nos tiram o direito de sentir, nos pretere e oprime.

Partindo disso, o fato de trocarmos experiências nos fortalece para a luta e empoderamento, porque ao ressignificarmos nossa existência através do diálogo, é notável que esses espaços valorizam nossas vivências, ainda mais quando se insere nas periferias, evidenciando estórias e relatos tão importantes quanto uma teoria acadêmica. Endosando que nossa luta é legítima a partir de nossas vidas, sim.

“Meus silêncios não tinham me protegido. Tampouco protegerá a vocês. Mas cada palavra que tinha dito, cada tentativa que tinha feito de falar as verdades que ainda persigo, me aproximou de outras mulheres, e juntas examinamos as palavras adequadas para o mundo em que acreditamos, nos sobrepondo a nossas diferenças. E foi a preocupação e o cuidado de todas essas mulheres que me deu forças e me permitiu analisar a essência de minha vida”.  Audre Lorde

Pelo direito de podermos devanear sobre nossas vidas, denunciar todo tipo de abuso, falar sobre expectativas e decepções, caminhando de contramão às estruturas institucionais que nos enxergam como uma “espécie” diferenciada, um ser que não precisa ser anestesiado, nos deixando inúmeras marcas.

Juntas somos resistentes!

 

Imagem destacada: Page Meninas Blackpower

Referências:

http://minhateca.com.br/Gabriela.Ramos/ARQUIVOS+DE+TEXTO/Audre+Lorde+-

A irmã outsider Audre Lorde

Gênero, Raça e Ascenção social – Sueli Carneiro

You May Also Like

Tolerância, Respeito e Aceitação: A Luta Diária da Pessoa Transgênera por Igualdade

Tolerância requer que você não me julgue em função da minha diferença, respeito requer que você me trate de maneira justa, e aceitação requer que você aceite que sou filha de Deus e que minha peculiaridade é ok. Pessoas que discriminam sempre tem alguma justificativa para seu ódio e intolerância, seja religião, as crenças sob as quais foram criados, ou ignorância. Mas em minhas mémórias registradas no livro I Rise [Eu me levanto], encorajo todos os irmãos e irmãs transgênerxs a superarem o medo, a derrota, a degradação e a discriminação. Minha vida tem sido de muitas frustrações, mas também tem sido uma vida de superação de obstáculos e elevação para atingir meus objetivos. Nós, a comunidade transgênera, somos criaturas divinas e precisamos de amor e aceitação, como qualquer outra criatura de Deus.

Ninguém sobrevive à violência sexual

Um estupro não termina quando o agressor larga os nossos corpos, ele continua quando não acreditam em nossos relatos, quando duvidam da nossa dor, quando não lutam pelo fim do machismo na sociedade, quando insinuam que nossos corpos existem para serem consumidos, quando nos negam a possessão de nossos próprios corpos e quando tentam nos calar. O machismo mata todos os dias.