Em novembro

E enquanto observada isso tudo na minha mente surgia a inquietação: só cabemos na escola em novembro? Só cabemos na escola no dia da consciência negra? Minha pergunta é: até quando?

Como foi bonito e emocionante ver gente negra subindo nas tribunas para falar de enfrentamento ao racismo, em novembro.

Como foi emocionante ver as caras pretas nas mesas de abertura dos eventos que discutem o racismo e o enfrentamento ao racismo, em novembro.

Como foi provocativo ver mulheres negras ocupando as salas de conferências para falar da necessidade de políticas públicas para mulheres negras, em novembro.

Esses dias enquanto passeava pelo facebook via emocionada a emoção das companheiras e companheiros a cada foto postada, de nossas irmãs e irmãos – inclusive eu – ocupando espaços em mesas, espaços em congressos, conduzindo trabalho, mas, ao mesmo tempo em que era acometida por uma forte comoção, eu também me sentia incomodada, inquieta, embora ali ainda não soubesse nomear o porquê, foi quando a uma visita a uma escola tudo se fez nítido para mim:

Chegando na escola, vejo as paredes repletas de produções de estudantes: cartazes denunciando o racismo, pinturas que tentavam reproduzir uma estética africana, máscaras africanas. Atabaques, Abês, vários outros instrumentos dispostos no pátio principal… E enquanto observada isso tudo na minha mente surgia a inquietação: só cabemos na escola em novembro? Só cabemos na escola no dia da consciência negra? Minha pergunta é: até quando?

Em novembro se vê gente preta, falando de suas dores, resgatando sua ancestralidade, partilhando as histórias ouvidas das bisavós das bisavós. Em novembro o povo preto fala, denuncia, anuncia. E eu me pergunto – por acaso fazemos isso somente em novembro?

Até quando nossas vozes continuarão correndo o risco de ser  folclorizadas e confinadas – quando com muita sorte – a um mês, ou a um dia no ano? Essa é a minha sensação ao final de cada mês de novembro. A sensação de somente existirmos em novembro.

Quando vejo minhas irmãs e meus irmãos brilhantes e no auge do seu brilhantismo trazendo suas reflexões e provocações eu me pergunto: até quando essas pessoas não poderão ser escutadas o ano inteiro? Até quando se surpreenderão ao escutar as nossas falas e ao ver nossas fotos nos eventos?

E uma voz, triste na minha cabeça responde: até quando nossa existência e nossa pauta forem confinadas ao mês de novembro.

Estamos lutando contra esse confinamento de nossa condição. Convido a cada irmã  e cada irmão a continuar levantando suas vozes, confirmando cada vez mais o mês de novembro como um mês de ativismo pelo fim do racismo e, ao mesmo tempo, intensificando a nossa militância no sentido de mostrar a essa sociedade que nós sabemos que a nossa luta é para podermos ser ouvidas durante todo ano, construindo e socializando as nossas pautas, erguendo as nossas vozes para sermos vistas/os. Que possamos continuar cada dia mais e mais exigir espaços, exigir exposições, exigir presença e pautar esse conteúdo.

Continuemos lutando para que seja dia da consciência negra todo dia.

Imagem de destaque – reprodução web.

You May Also Like
Leia mais

Rolezinho, um ato de resistência política

Nunca imaginei que um dia a ida ao shopping seria visto como um ato de resistência política. Os chamados “rolêzinhos;” noticiados pelos meios de comunicação desde Dezembro de 2013, consistem em uma simples ida de jovens, em grupos, aos shopping centers. Algo comum, já que o grande contingente de frequentadores destes espaços são jovens. Porém, o que despertou a revolta de algumas pessoas em relação a estes “rolêzinhos” foi o tipo de jovem que o está realizando: pobres e, em sua maioria, negros.

Da radicalidade da militância negra. Ou sobre aprendizagens.

É uma acusação comumente direcionada também aos debates de gênero, acusando ambos de construir rivalidades e tensões desnecessárias, como se o debate inventasse as disparidades e iniquidades que nos levam a ele, o que é preocupante para mim. Não só por perceber que, apesar de combatida, a radicalidade ainda é uma representação social habitual, como um entrave à compreensão das diversas frentes de lutas nas quais é preciso estar para combater o racismo, um dado que representa demérito em uma sociedade que já foi representada a partir da cordialidade e parece insistir em se retratar assim. Mas também porque a confiança que diversas vezes esses comentários – por vezes sussurrados – parecem significar, indica que, provavelmente, eu demonstro ser da ala das moderadas, da ala das que compreendem que “a radicalidade não é o caminho”.
Leia mais

O aborto das escravas: um ato de resistência

Não raro penso no aborto como uma medida genocida contra todas as mulheres: o controle é ineficaz, as mulheres não deixam de fazer um aborto por ele ser proibido. O que elas fazem é adiar a busca por auxílio da saúde pública depois de abortar; significa que as mulheres procuram assistência médica quando estão com hemorragia grave ou infecções alastradas. Manter essa medida criminalizadora só atesta o fato de que o Estado quer as mulheres (todas, sem exceção) pagando com sangue seus atos. Até a última gota.

Sororidade negra: laços invisíveis

Quando já não há palavras que deem conta de expressar o que sentimos quando vemos nossas irmãs sofrerem, ou mesmo quando vemos em seus olhos o brilho de satisfação de alguma conquista (que nos é tão caro e precioso), quando não nos cabe no peito a dor que sentimos pelas nossas irmãs ofendidas, ou a alegria imensurável que nos toma o corpo quando uma outra preta chega onde muitas de nós não conseguiremos porque diariamente os grilhões do racismo tende a nos aprisionar, só nos restará a sororidade negra, laço este de irmandade que servirá como o nosso amuleto de sorte, e a bala de canhão necessária para proteger umas as outras, e nos protegermos do mundo.