Erradicação do machismo nas escolas para cortar o mal pela raiz

A Lei 5.858, de 11/05/2015, que entrou em vigor na data de sua publicação, institui a campanha permanente de combate ao machismo e valorização das mulheres nas escolas públicas do Município do Rio de Janeiro.

A lei é oriunda do projeto de lei 888/2014, de autoria do vereador Renato Cinco (PSOL/RJ).

Estamos diante de uma lei que tem como objetivo erradicar o machismo nas escolas, o que pode ser considerada uma tentativa de cortar o mal pela raiz.

A educação foi, é, e sempre será, a melhor forma de evolução de uma sociedade.

Ensinar nossas crianças e adolescentes sobre o câncer que é o machismo, o quanto essa prática é capaz de ceifar vidas e que mata todos os dias, é um avanço.

O espírito dessa lei, ou seja, o motivo pelo qual o projeto foi apresentado para votação foi o seguinte. Vejamos :

“JUSTIFICATIVA

A cidade do Rio de Janeiro apresentou um aumento preocupante nos índices de violência contra a mulher. Pesquisas do ISP (Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro) trazidas no Dossiê Mulher 2013 relatam que somente em 2012 o somatório dos casos de ameaça, estupro, tentativa de estupro, homicídio doloso, tentativa de homicídio e lesão corporal dolosa foi de 45 449 ocorrências registradas. A pesquisa revelou ainda que o Estado apresentou um aumento de 36% dos casos de estupro, em relação ao ano anterior.

Além dos dados sobre a violência em si, a mulher ainda ocupa posições subalternizadas em nossa sociedade, de forma que as mulheres tem menos espaços de chefia, estão nas profissões menos valorizadas e recebem salários menores que os homens nas mesmas profissões. São também, na maioria das vezes, responsáveis sozinhas pelo cuidado da casa e dos filhos. Em apenas 2% dos lares do Brasil são os homens que ficam à frente das tarefas domésticas.

Sendo a escola um dos primeiros locais de aprendizagem e convívio social das crianças, é papel do poder público implementar práticas pedagógicas que estimulem a reflexão e a crítica ao machismo e busquem interromper a reprodução dessas práticas.

Portanto, o presente projeto tem como objetivo contribuir no combate e prevenção a todo tipo de violência contra mulheres, levando o debate sobre a opressão de gênero para dentro das escolas. De forma que os preconceitos historicamente constituídos na sociedade possam ser repensados de forma crítica dentro do ambiente escolar. É fundamental que a rede escolar implemente práticas educativas que previnam a reprodução de agressões físicas, psicológicas e sociais de cunho machista.”

A lei mencionada, que já está em vigor, prevê, entre outras coisas, que a campanha é permanente nas escolas públicas de responsabilidade da Prefeitura do Município do Rio de Janeiro, mas prevê, também, que  a campanha de prevenção e o combate ao machismo deve ser realizada nas escolas municipais e fora delas, que docentes e equipe pedagógica deverão ser capacitados para que possam colocar em prática as disposições contidas na lei, que o regimento escolar deverá ser alterado para incluir regras que constranjam a prática do machismo.

Ou seja, a lei é bastante interessante e merece ser lida na íntegra por  pais de alunos, professores e pedagogos, além de merecer ser amplamente divulgada por nós, mulheres,  motivo pelo qual entendo seja útil a transcrição  da mesma no corpo do texto:

“LEI Nº  5.858, DE 11 DE MAIO 2015.
Institui a Campanha Permanente de Combate ao Machismo e Valorização das Mulheres nas escolas públicas do Município do Rio do Janeiro.

Autor: Vereador Renato Cinco
O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º Fica instituída a Campanha Permanente de Combate ao Machismo e Valorização das Mulheres nas escolas públicas de responsabilidade da Prefeitura do Rio de Janeiro.

Art. 2º Para a implementação desta Campanha, cada unidade escolar criará uma equipe multidisciplinar, com a participação de docentes, alunos, pais e voluntários, para a promoção de atividades didáticas, informativas, de orientação e conscientização sobre os direitos das mulheres e de combate ao machismo.

Art. 3º São objetivos da Campanha:

I – prevenir e combater a reprodução do machismo nas escolas municipais e fora delas;

II – capacitar docentes e equipe pedagógica para a implementação das ações de discussão e combate ao machismo;

III – incluir, no Regimento Escolar, regras normativas que constranjam a prática do machismo;

IV – desenvolver campanhas educativas, informativas e de conscientização ao longo do ano letivo que envolvam a valorização das mulheres e o combate à opressão sofrida pelas mesmas;

V – integrar a comunidade, as organizações da sociedade e os meios de comunicação nas ações multidisciplinares de combate ao machismo, à desigualdade de gênero e à opressão sofrida pelas mulheres;

VI – coibir atos de agressão, discriminação, humilhação, diferenciação a partir da perspectiva de gênero, e qualquer outro comportamento de intimidação, constrangimento ou violência contra as mulheres;

VII – realizar debates e reflexões a respeito do assunto, com ensinamentos que visem à conscientização dos problemas gerados pelas práticas machistas;

VIII – promover reflexões que revisem o papel da mulher historicamente construído, estimulando a expansão da liberdade das mulheres e a igualdade de direitos entre os gêneros.

Art. 4º Compete à unidade escolar aprovar um plano de ações, incluindo a semana de combate à opressão de gênero e valorização das mulheres, no Calendário da Escola, para a implantação das medidas previstas na Campanha.

Parágrafo único. A semana de combate à opressão de gênero coincidirá, preferencialmente, com o Dia Mundial de Combate à Violência Contra a Mulher, 25 de novembro.

Art. 5º É de responsabilidade da Secretaria Municipal de Educação garantir a implementação da Campanha.

Art. 6º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.”

Importante ressaltar que, a mencionada lei não é de âmbito estadual nem nacional. A lei 5858/2015 é de aplicação no âmbito do município do Rio de Janeiro, mas pode e deve servir de exemplo para que tantos outros municípios e Estados tenham a mesma iniciativa. Deveria, inclusive, ser pauta na esfera federal.

É imprescindível divulgar a informação e cobrar das autoridades competentes que a prática que está sendo implementada na cidade do Rio de Janeiro seja implementada a nível nacional.

Mesmo no município do Rio de Janeiro, ainda há que se cobrar a capacitação dos profissionais e que as ações mencionadas na lei sejam colocadas em prática, para que a lei seja efetivamente cumprida.

De qualquer forma, vejo avanço e espero que mais projetos como esse sejam criados e colocados em pauta para votação,  e que nós, mulheres, possamos ocupar cargos de poder para protagonizar essa luta que é nossa.

Fontes:
http://www.camara.rj.gov.br/controle_atividade_parlamentar.php?m1=materias_leg&m2=9a_Leg&m3=prolei&url=http://mail.camara.rj.gov.br/APL/Legislativos/scpro1316.nsf/Internet/LeiInt?OpenForm

http://mail.camara.rj.gov.br/APL/Legislativos/contlei.nsf/50ad008247b8f030032579ea0073d588/561f75bef6ce93a083257e4200673bba?OpenDocument

You May Also Like
Leia mais

Me descobri assim

Eu vim rompendo barreiras desde pequenina. Meu avô, não gostava de preto até me pegar no colo, ouvi dizer. Meus avós foram os melhores do mundo e eu fui coberta de mimos de neta mais nova até eles irem morar no céu. De alguns irmãos do vovô, quero distância. Sempre me trataram como menos.
Leia mais

Victoria Lopes: Relatos de um dia de Albino César

Nós, Blogueiras Negras, repudiamos com veemência às ações da Polícia Militar e expressa seu total apoio à Victória e todas as muitas mulheres negras vítimas desse Estado racista, que trata nossas existências de acordo com valores ultrapassados e ultrajantes. Não ao racismo institucional em quaisquer de suas modalidades. Pela desmilitarização imediata da polícia, pela correta averiguação do fatos e punição exemplar dos responsáveis por mais essa atrocidade contra a mulher negra.