Janelas

Às vezes eu olho pela janela.
A janela da alma.
Eu me pergunto onde está minha alegria.
O que eu fiz para me perder tanto.
Eu olho ali, no intimo do escuro.
E vou rasgando cada parte de mim.
Para me caber em meus amores.
Amores paternos.
Amores maternos.
Amores…
Olho os olhos de minha mãe e sinto seu amor profundo.
Mas sou incapaz de lhe dar a vida.
Olho os olhos de pessoas que querem o meu mal, que propagam o mal.
E sinto vontade de refazer uma nova camada.
Uma camada profunda.
Eu sigo me rasgando tanto.
Me reconstruindo tanto.
Estou me perdendo.
Perdendo-me.
Deus!
Eu me quero de volta.
Quero não sentir culpa.
Quero ver meus caminhos.
Pisar nessa brasa terra sem sangrar.
Olhar no fundo latente.
Queria me rasgar de amor.
Mas sou humana.
E tenho que aceitar isso.
Minibiografia.
Roberta Paulino, 22 anos. Estudante de Serviço Social, apaixonada pela justiça social unida ao conhecimento. Sou ventania e intensidade.

Imagem destacada: Nappy

You May Also Like
Leia mais

Depois do Outubro Rosa e do Novembro Azul: o genocídio da Consciência Negra

Passou-se quase um mês da chacina ocorrida em Belém na madrugada de 5 de novembro, na qual foram divulgadas 11 mortes. Naquela madrugada pouca gente dormiu nos bairros do Guamá, Jurunas, Sideral, Marco, Tapanã e, especialmente, na Terra Firme. Semelhanças entre os bairros? Periferia. População residente nos três locais: predominantemente negra. A chacina mirou quem? A juventude. Eis a consciência negra lavando ruas e calçadas com sangue. É essa a ação do Estado para combater a enfermidade.