Negra sim e com orgulho

Tenho 32 anos e demorei muito para assumir que minha pele é negra, meu cabelo é negro, meus lábios são negros, meus olhos e minha alma é NEGRA!

Aos 11 anos de idade fui estudar em um colégio de uma comunidade onde moro aqui em São Paulo e ao entrar na sala de aula da 1º série  Bem -te-vi, me deparei com quase todos da sala brancos, inclusive a Professora.

Entrei e procurei ao meu redor alguém que tivesse a mesma cor que a minha. Encontrei uma menina com aparência mais velha que eu cujo nome era Isabel. Fiz amizade e me sentia segura, sabia que não era a única “preta” da sala, ainda sim tinha medo, muito medo quando a professora me chamava para ir até a lousa, resolver as contas que ela colocava.Não gostava dessa parte, me sentia envergonhada, discriminada e violentada moralmente falando.

Fui crescendo e conhecendo novas pessoas, me interagindo com o mundo que também me pertence, mas que muitas vezes tive que brigar para ser aceita.

Lembro-me de um episódio onde foi um casal de fotógrafos na escola e o ensaio do momento era fotografar os alunos vestidos de Cowboy, para nós as meninas eles traziam um chapéu marrom e um colete cheio de franjas. Arrumávamos o cabelo e passávamos um batom meio rosa/vermelho, uma cor muito forte para crianças, mas enfim, nos meninos era apenas uma camisa branca com um colete escuro e o chapéu de cor preta.

Fotografavam todos e após o quadro ficar pronto eles vinham até a escola entregar a lembrança e colher o dinheiro.. Claro, para nossos pais aquilo era lindo e maravilhoso, mas para muitos não.

No dia do ensaio, meu cabelo por ser cacheado não estava em sua forma adequada de tratamento, em casa não tinha feijão e arroz para comer, não poderia me dar o luxo de ter meu cabelo hidratado e em seus perfeitos cachos. E ao ir para o ensaio, fui com ele armado, desarrumado, e ao colocar o chapéu, fui motivo de chacota pra sala toda. Claro, ele estava rebelde e não queria um chapéu prendendo-o, então saiu para os lados e como era pequena não tinha a astúcia de eu mesma arrumar, a moça que era assistente da fotógrafa também não tinha intimidade com um cabelo daquele “nipe” e por conta disso ele ficou daquele jeito mesmo e a foto foi tirada.

Fiz cara de choro e ao sair da sala me sentia a pior das criaturas, naquele momento queria ter o cabelo liso, a pele clara, ter boa roupa, bons sapatos, talvez um pouco de coragem e dignidade, mas até isso me faltava e assim fui vivendo a vida até chegar a fase adulta.

Fase essa que também não estava em preparação, mas me sai bem, aprendi a ver e olhar as pessoas com outros olhos e não chorar por ter o cabelo crespo, pelo contrário, olhar para a cara de quem falar que ele está “desgrenhado” e dizer: Não está não, ele é assim mesmo, pois sou negra e ele também é e exigimos respeito com nossa cor.

Hoje me orgulho do mundo o qual pertenço. Negra sim e com Muito Orgulho!

 

Imagem destacada: Turbante-se. Foto: Shai Andrade

You May Also Like
Leia mais

Sem mundo encantado em ser mulher negra

O caso Linda Brown aconteceu na década de 50, na cidade de Kansas (EUA). Linda era uma aluna da terceira série e via-se forçada a caminhar algumas horas para chegar a seu colégio apenas destinado a negros. Para resolver sua situação de bem estar, sua família teve que entrar na justiça para a garotinha ter o direito de estudar em uma escola próxima de sua casa que era voltada a pessoas brancas. O clássico Brown versus Board of Education, um marco da luta da segregação racial nas escolas públicas.
Leia mais

Afrocolombianas de San Basilio de Palenque: uma experiência de resistência e liberdade.

Sem esgotar a complexidade de sua organização, é preciso (re)conhecer a importância da comunidade negra de Palenque e da experiência de mulheres negras palenqueras na história dos povos de ascendência africana nas Américas, assim como de suas práticas de resistência. Tanto aqui como lá, as vivências de mulheres negras formam um corpo coletivo não somente na dor da violência do racismo, mas na possibilidade de uma solidariedade transgressora.
Leia mais

O momento do encontro

Quando fazemos as pazes com nossa Natureza, os tufões passam, as águas se acalmam e aos poucos aquela sensação de “despertencimento” vai dando lugar a forças ancestrais que ao se encaixarem em nosso íntimo, vão encontrando formas harmônicas de ser e sentir o fluxo da vida, formando novos veios nesse mesmo rio que compõem nossa breve existência.