Precisamos ouvir nossas meninas, nossas irmãzinhas

Estamos numa luta constante contra as opressões da sociedade patriarcal racista. Diariamente somos algo de inúmeras agressões e seguimos lutando para conquistas espaços que nos são de direito, mas que a dívida histórica que ainda permanece, nos impede.
Como feminista atuante na linha da interseccionalidade, considero o ativismo das mulheres negras o que mais me representa e o que também acolhe manas similares ou não a mim e, com isso, me vem a reflexão: quando eu era adolescente eu não tinha um contato direto com o feminismo e isso fez – e faz – uma enorme diferença na minha vida. Em menos de cinco anos tendo contato com o feminismo, me sinto mais segura comigo mesma e meu modo de pensar, falar e agir mudaram muito, fui empoderada e enegrecida e ainda estou aprendendo muitas coisas.

Na atualidade, em vista do “fácil” acesso à tecnologia e Internet, se tornaria menos complicado adolescentes terem contato com essa linha de pensamento feminista e também empoderarem suas vidas, ter noção de seus direitos e ver as coisas da maneira que são, sem que a sociedade coloque-os embaixo do tapete.
Mas não é isso o que acontece, ao menos em São Paulo. Nas periferias que fazem parte do meu convívio, vejo as meninas negras sendo expostas nas escolas, grávidas sem poder estudar, sem apoio algum, as vejo presas no alisamento capilar e as vejo também sem conhecimento sobre nossas origens, nossas lutas e direitos.
Claro que nossas vidas são totalmente diferentes, mas precisamos cuidar umas das outras também e eu, Nênis, acredito que fará muito mais diferença empoderar uma adolescente do que uma mulher mais velha (não que não seja de extrema importância!).
Toda a construção social independente se inicia na adolescência e estar consciente de fatores extremamente importantes como nossos direitos, futuramente, pode trazer resultados direta e indiretamente mais eficazes. Não falo na ideia de fazer lavagem cerebal nas meninas – até porque suas mentes são fortes demais pra aceitar isso – mas falo de empoderar as meninas que serão minhas representantes quando eu não puder me representar mais nos espaços.

Vejo adolescentes em relacionamentos abusivos, as vejo grávidas e solteiras, as vejo sendo agredidas nos bailes, as vejo fugindo de suas sexualidades, as vejo passando pelas mesmas agressões que nós, porque elas são nós, nós éramos e somos elas, só que elas estão num momento mental com maior espaço e compreensão da sociedade. O interesse delas nessa desconstrução diária que é o feminismo pode ser muito maior do que pensamos e estamos preparadas, mas estamos tão preocupadas e ocupadas com as questões mais elaboradas do feminismo que por vezes não nos atentamos na fala de uma adolescente negra, ou talvez afastamos essa mesma adolescente por alguma fala problemática e qual nossa função? Não é a de desconstruir para que esse tipo de fala seja repensado, evitado até que ela entenda qual o peso de certas coisas? E o que temos feito por essas garotas? O que podemos fazer?

Tenho, para mim, que podemos construir conteúdos que se aproximem dessas garotas, construir espaços que as aproxime do feminismo, da forma que seja mais confortável para elas, até que elas mesmas passem a se auto-organizar e continuem dialogando conosco sobre todas as nossas pautas que, independentemente da faixa etária, nos afetam de inúmeras maneiras diferentes.

O feminismo chegou pra mim de uma maneira muito difícil. Eu demorei para entender, demorei para ver sentido e ver que falava sobre mim também. Se pensarmos nessas garotas, talvez o que falte para existir o empoderamento delas também seja paciência, didática, pensarmos nas nossas dificuldades conhecendo o feminismo e unir as soluções com a “facilidade” de acesso à informação. Fico imensamente grata pela existência do Blogueiras Negras Teen, pra que a gente possa nos aproximar cada vez mais de nossas irmãzinhas.

O AMOR É CONSTRUÇÃO.

Imagem Destacada: DreamWorks Animation Studio

You May Also Like

É papel do Judiciário analisar a validade e existência da religião?

Quando a Justiça se presta a um ato como estes, pratica-se um retrocesso, não apenas jurídico mas social. Pratica-se um atentado contra o povo (negro) que sofre opressão há séculos dentro deste Brasil. Pratica-se um ato de ignorância sobre tudo o que já se produziu nas Academias deste mundo. Pratica-se a intolerância e a falta de desejo de construir um país mais justo, mais democrático.
Leia mais

Entram nas nossas comunidades e nos violentam: a dor da Salvador

A solução encontrada pelo Governo do Estado da Bahia foi o de sempre: vamos militarizar a polícia, trocar o calibre .38 pelo .40, mas agora eles nos dizem que querem fazer um Pacto. Um Pacto pela Vida. Contudo precisam: 1- Invadir nossas comunidades; 2- Implantar Bases Comunitárias de Segurança (BCS ou UPP baiana); 3- Controlar as nossas vidas. Simples, não? Mas vamos um pouco além. Quais comunidades eles vão escolher como prioritárias?

Ninguém sobrevive à violência sexual

Um estupro não termina quando o agressor larga os nossos corpos, ele continua quando não acreditam em nossos relatos, quando duvidam da nossa dor, quando não lutam pelo fim do machismo na sociedade, quando insinuam que nossos corpos existem para serem consumidos, quando nos negam a possessão de nossos próprios corpos e quando tentam nos calar. O machismo mata todos os dias.
Leia mais

Nota de repúdio ao posicionamento da faculdade Zumbi dos Palmares sobre o Sexo e as Nega

Sustentar que a crítica de mulheres negras tem a ver com pura emoção é a defesa de que não somos capazes de construir uma avaliação perspicaz, astuta e concreta de uma realidade que diz direito apenas a nós mesmas e não a homens negros. E o nome disso é machismo. Nós temos voz e argumentos, exigimos que sejam respeitados, acolhidos e não brutalmente silenciados como tem sido prática histórica de alguns setores do movimento negro, que nos preferem caladas.