Em apoio à Pepê e Neném

Suas roupas largas, seu andar mais relaxado, seu cabelo crespo, seu sorriso largo e sua pele são lindas. São fatores de resistência e incomodam privilegiados pela sociedade. A ascensão de uma mulher negra lésbica é inadmissível pra alguns e atacar é o que mais eles sabem fazer, e nós resistimos.

Casos de lesbofobia carregados de racismo são muito comuns. Alguns dias atrás, no programa A Fazenda, as irmãs e artistas Pepê e Neném foram atacadas em rede aberta por um dos integrantes do programa. Pensando que alguém tem a coragem de expor todo esse preconceito em rede nacional, imaginamos o que pode acontecer em locais fechados e fora da televisão.

Nós repudiamos qualquer ação discriminatória e preconceituosa. A lesbofobia está diretamente atrelada ao machismo e consequentemente ao racismo, isso não pode permanecer assim. Comunicamos nosso apoio irrestrito às irmãs e além disso, emanamos energias benéficas para fortalecer a luta contra as opressões que infelizmente estamos diariamente sujeitas.

Suas roupas largas, seu andar mais relaxado, seu cabelo crespo, seu sorriso largo e sua pele são lindas. São fatores de resistência e incomodam privilegiados pela sociedade. A ascensão de uma mulher negra lésbica é inadmissível pra alguns e atacar é o que mais eles sabem fazer, e nós resistimos. Nós permanecemos fortes e juntas contra todas as pessoas que são contra nós. Resistimos e persistimos, até que os espaços sejam seguros pra nós, até que nosso afeto deixe de ser fetichizado, até que possamos vestir roupas que gostamos e não sejamos humilhadas por isso, ou por qualqier outra escolha que fazemos ou não.

O mais espantoso em relação ao homem branco que proferiu pesados insultos é que a pessoa é homossexual. Onde podemos claramente ver que o racismo e a lesbofobia estão deixados de lado no cumprimento das leis. A comunidade LGBTT precisa estar unida. Somos semelhantes e ser alvo de discriminação de um semelhante é possivelmente mais doloroso do que quando de um ser completamente diferente.

Qual a razão de existir um dia do Orgulho LGBTT se diariamente pessoas que se dizem fazer parte e também estão sujeitas a ser alvo de preconceito o reproduzem, ainda mais de uma forma tão maléfica, pesada, nojenta. O privilégio é algo que dá direito ao outro proferir insultos por pura e espontânea vontade? Isso realmente não me desce e apenas me mostra quão mesquinha, minúscula e ignorante é uma pessoa que faz isso, em rede nacional.

Quanto às meninas, que sempre admirei desde minha infância, só posso dizer que são fortes, absolutamente lindas, que são poderosas e que aqui conosco suas vozes não serão silenciadas. Meu irrestrito apoio à vocês.

Não nos calaremos!

3 comments
  1. Lamentavelmente a mulher ainda é vista como inferior ao homem. E quando se trata da sua sexualidade então… A mulher, principalmente a negra, é vista como objeto de satisfação sexual do homem, em especial o branco. Temos que ser lindas e gostosas de acordo com padrões midiáticos repugnantes. Apoio Pepê e Neném,pelo simples fato de serem quem são.

  2. Minha cara minha grande preocupação no movimento LGBT é que ele esta cada vez mais GGGG, profundamente marcado pela misoginia, machismo, elitismo, racismo, transfobia e bifobia e lesbofobia. Não é uma questão de apenas se unir não e sim de desconstrução de todos esse padrões maléficos que só nos levam ao segregacionismo.

    1. Elaine, o movimento realmente está segregado. Não existe uma ação que é pensada em coletivo, o umbiguismo social é palpável. Mas ainda assim acredito que é possível existir uma compreensão, mas isso é tão difícil que antes dela existir, precisamos ocupar todos os espaços e nos fazermos ser ouvidas. Os passos são curtos pra um longo caminho, mas estamos caminhando e vejo cada vez mais as mulheres lésbicas e bissexuais, trans* e cis, desenvolverem ações coletivas. Não somos relacionadas nas ações de grande porte, então façamos as nossas ações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You May Also Like
Leia mais

Uma bunda na foto vale mais que uma arara!

Ao ler os comentários sobre o episódio dessa chamada de brasileiras para casamentos com gringos através do site do Huck, só consigo pensar em como nós brasileiras ainda somos vistas no nosso próprio país: mercadorias com bundas do tamanho P, M e G. Não sou macaca, minha bunda não é internacional, Brasil não é cartão postal de bundas e a mulher brasileira não esta à venda!