A autoestima transforma

Se fosse possível, queria poder dar autoestima de presente numa caixinha. Essa coisa que é tão potente, mas tão difícil de ser acessada por alguns grupos sociais.

Eu entendo que o racismo também usa como estratégia de exclusão do povo negro o difícil alcance que temos à nossa autoestima. Para alguns de nós, pode custar muito o reconhecimento do nosso potencial intelectual e estético. Eles nos querem invisíveis na história, invisíveis para nós mesmos.

Se pra qualquer perfil de pessoa a autoestima pode ser uma conquista árdua, para os negros ela pode estar a milhares de quilômetros de distância. Dificilmente estamos na lista dos mais belos, mais criativos ou inteligentes.

Quando a gente encontra ou reencontra nossa autoestima, é como se um novo mundo se revelasse e, assim, déssemos novos rumos e metas para esta nova pessoa que descobrimos em nós mesmos. É como quando estamos acostumados a usar uma coisa de um determinado jeito, mas aí conhecemos uma nova função e a partir daí exploramos novas possibilidades.

Se você cresce querendo ter outro cabelo, outra cor de pele, querendo que sua boca e nariz sejam pequenos e finos, a beleza presente atrás de tanta autodepreciação fica mais difícil de ser encontrada. Mas quando encontrada e bem usada, pode ser transformadora. A autoestima também é uma mecanismo de mudança, com ela, somos capazes de ultrapassar barreiras aparentemente impossíveis e criar estratégias individuais e coletivas de transformação. A autoestima transforma e o racismo não quer que saibamos disso.  

Ver pessoas negras desfilando seus cabelos afros, sua pele escura, suas bocas grossas e narizes largos, cheios de confiança e satisfação, mostra mais uma vez que o racismo está perdendo o jogo.

Como o Dee, do grupo de rap 5 pra 1 diz no som “Papo de Milhão”, uma música muito empoderadora que fala sobre o poder do povo preto, “Não há coisa melhor no mundo, de ver os seus ali livre e sorrindo com os papo de futuro.”

É hora ir, ajeita sua coroa e arrasa!

 

Imagem destacada: NEGR.A por Paulo Abreu – Coletivo de Negras Autoras

You May Also Like
Lia de cabelo black, fotografia com a qual competiu e ficou em segundo lugar no concurso modelo black.
Leia mais

Seu cabelo black combina com qualquer roupa

Falei da minha irmã pois sei de algumas desculpas usadas para se alisar o cabelo e, desejo com a história da minha irmã desfazer de forma lógica essas desculpas. A primeira e mais fácil de destruir é a de que o black combina com alguns estilos, alternativas, hippies, dependendo de como a mulher se veste não fica bem. Pelo perfil da minha irmã, advogada impecável, que vive vestida para ir a fórum, escritório e audiências, o senso comum a imaginaria de cabelo alisado. Seu black combina com qualquer roupa que coloca.
Leia mais

Estética: Liberdades, Moda e Identidade

Ai é que eu afirmo que avançamos, mas ainda estamos num campo perigoso. Por que ser socialmente aceito como exótico, não é lá uma vantagem. É “menos pior” do que ser rejeitado, mas ainda não é uma liberdade plena conquistada. A moda afro ter avançado no mercado tem, no momento, que conviver com essa faca de dois gumes: sair de territórios demarcados para galgar uma universalidade, mas em contrapartida ainda não ser encarado com naturalidade: ser sempre a moda do OUSADO, do super fashion, do Cult, menos o traje de uma identidade afirmada.