Casa forte, peito fraco – a dor que me doeu

Por Larissa Santiago para as Blogueiras Negras

Ultimamente tenho transitado por um lugar muito lindo, o bairro de Casa Forte. Pelo que me contam da história, aqui era um antigo engenho no século XVI, pertencido a Diogo Gonçalves – terras doadas a ele por Duarte Coelho. Com pouca observação e curiosidade, isso é bem aparente: edifícios por nome senzalas, galerias “casa grande” e ruas com nomes de barões e senhores de engenho.

Não fosse a tranquilidade do lugar e sua beleza colonial (sic) ainda preservada, eu sentiria muita dor ao perambular todo dia no bairro. Os olhares não me são dos melhores, os cumprimentos não me são dados, mas assim como as empregadas domésticas que encontro pela rua, sigo meu caminho sorrindo para os meus parceiros.

Eis que num belo dia de sol, indo para o meu destino de bicicleta, sou interpelada por um carro cheio de trabalhadores da companhia de energia do estado: “Sai do meio da rua, cabelo de fogo!”

Na hora, tomei um susto e nem prestei atenção na expressão e só consegui dizer: “bonito pra cara de vocês”. Depois, me veio uma estranha vontade de chorar, um aperto no peito… E refiz toda a cena na minha cabeça e só assim eu entendi qual era o “meu” problema: no carro, todos eram pretos. Todos homens pretos.

A intenção deles era me xingar porque eu estava na rua, no meio da rua pra eles (que é de todos), já que estava numa bike e deveria me recolher ao canto da pista. Mas porque a ofensa foi racista? E porque me doeu tanto?

Não ouso responder nenhuma das questões. Mas sei que muito do que me doeu está na minha relação com o lugar e com as pessoas dele: como pode “alguéns” com quem eu quero sempre dividir meu sorriso e bom dia me ferir tão bem ferido? Quando vem dos que são seus, dói mais.

Chorei tudo o que havia em mim e depois de me recompor, escrevi. Porque é só contando histórias, conversando com meu irmão mais novo e abraçando minha mãe é que a gente milita e muda a realidade. É somente assim que posso me sentir mais forte e tentar mostrar aos que se parecem comigo que tudo não passa de anos de mentiras e tentativas de implantar ódio entre nós.

Pra mim, nesse dia, a casa forte caiu.

carto-postal-recife-jardim-da-casa-forte

You May Also Like

Amor e Luta: A mulher negra que sempre fui e não sabia

Tomei consciência do que aconteceu e ocorre com os meus irmãos. Que quantas Neirieles estão limpando bunda de neném ou servindo mesas por ai sem perspectiva nenhuma de futuro. Que meu cabelo crespo é lindo e é como música a que gosto. Só serve com o volume alto! Foram 4 anos de muita peleja e aperto e diante disso, como ter outras mulheres negras, na mesma condição que você, faz com que o caminho fique mais suave.

Tolerância, Respeito e Aceitação: A Luta Diária da Pessoa Transgênera por Igualdade

Tolerância requer que você não me julgue em função da minha diferença, respeito requer que você me trate de maneira justa, e aceitação requer que você aceite que sou filha de Deus e que minha peculiaridade é ok. Pessoas que discriminam sempre tem alguma justificativa para seu ódio e intolerância, seja religião, as crenças sob as quais foram criados, ou ignorância. Mas em minhas mémórias registradas no livro I Rise [Eu me levanto], encorajo todos os irmãos e irmãs transgênerxs a superarem o medo, a derrota, a degradação e a discriminação. Minha vida tem sido de muitas frustrações, mas também tem sido uma vida de superação de obstáculos e elevação para atingir meus objetivos. Nós, a comunidade transgênera, somos criaturas divinas e precisamos de amor e aceitação, como qualquer outra criatura de Deus.