Desconfiem de quem se afirma decolonial, mas não rompe com o epistemicídio!

O que é visto no Brasil são pessoas brancas mobilizando a decolonialidade, mas mantendo feridas epistêmicas abertas.

Em um momento de emergência do projeto decolonial no Brasil, é preciso pautar o rigor e a ética intelectual. Esse movimento é importante frente constantes tentativas de esvaziar o que significa fazer a opção decolonial. Na minha leitura, é preciso desconfiar de quem articula – e posiciono aqui as redes sociais – conceitos e projetos políticos, epistemológicos, éticos, estéticos e cosmológicos de uma maneira incipiente. 

Comecei a estudar sobre decolonialidade em 2016, 2 semestres depois da minha entrada na Pedagogia/UFPE, diante de uma questão que, para mim, foi basilar: o que difere o pós-colonial do decolonial? Viviane Vergueiro havia me apresentado o pensamento decolonial em sua dissertação de mestrado e me senti interessada. Principalmente, devido ao fato de até aquele momento, Viviane era a transfeminista que, na minha opinião, mais referenciava o pensamento de intelectuais negra/os em suas elaborações transfeministas. Quando Viviane utilizou o pensamento decolonial como fundamento teórico para suas perspectivas transfeministas, me senti instigada de ler o que, até então, era completamente novo para mim. 

Li muito entre 2016-2019, imprimi 14 mil apostilas na fila da xerox do CFCH-UFPE contendo artigos, ensaios, capítulos de livros e transcrições de fala. Foi um processo importante de compreensão teórica. Aprendi com a Prof Doutora Maria Eliete Santiago que é preciso construir uma disciplina intelectual para evitar o esvaziamento de teorias que são parte das lutas por libertação. Nessa trajetória, alguns incômodos surgiram no caminho. 

Ainda que o pensamento decolonial elenque como um dos seus pontos centrais, o rompimento com o silenciamento impostos às inteligências, expertises e epistemologias de pessoas racializadas, o que é visto no Brasil são pessoas brancas mobilizando a decolonialidade, mas mantendo feridas epistêmicas abertas

Foi a partir desta inquietação que repensei bastante sobre o que a decolonialidade representava para mim enquanto uma travesti negra do Brasil. Precisei fazer o giro antirracista no interior da teoria decolonial. 

Esse movimento me permitiu ler sobre a “perspectiva negra decolonial brasileira” da Prof Doutora Nilma Lino Gomes e a respeito dos “deslocamentos e insurgências intelectuais” da Prof Doutora Claudia Miranda. Lélia Gonzalez, nossa grande mestra, já falava sobre “superioridade euro-cristã” em 1988, em sua categoria político-cultural de amefricanidade. No entanto, as pessoas brancas interessadas em discutir sobre decolonialidade no Brasil, continuam a perpetuar o ocultamento da contribuição das/os pensadoras/es negras/os brasileiras/os. 

Os estudos desenvolvidos por Lélia, Adbias do Nascimento, Sueli Carneiro, Petronilha Gonçalves, já posicionavam há décadas que é preciso pensar desde um outro lugar, ainda que as tentativas constantes sejam as de nos posicionar como Não-Ser. 

Meu primeiro artigo científico publicado, chamado “O currículo frente à insurgência decolonial: constituindo outros lugares de fala”, partiu do reconhecimento de que somos sujeitos produtores de saber. Que nossas intelectualidades negras insurgentes, como coloca bell hooks, apresentam novos horizontes emancipatórios. 

É preciso estar atenta, é preciso desconfiar! Decolonialidade é, também, sobre o silenciamento histórico imposto. É sobre estilhaçar a máscara-de-flandres, assim como Yhuri Cruz fez em seu “Monumento à Anastácia“. 

Estamos de olho em quem desconsidera o “Lugar de Fala” de Djamila Ribeiro, mas reafirma o lócus de enunciação branco-ocidental. 

Desconfiem de quem se afirma decolonial, mas não rompe com o epistemicídio!

Imagem: “O sétimo caminho da encruzilhada é o equilíbrio” de Castiel Vitorino Brasileiro. Na obra Castiel discute sobre a encruzilhada – ou o encruzilhamento – como epistemologia. A artista utiliza Exú como bussola ética na criação de outras relações com nossas vidas que perambulam para direções contrárias àquelas previstas, orientada e autorizada pela colonialidade. Para além disso, Castiel também propõe seu corpo e sua existência como território de enunciações não apenas das identidades que me compõe, mas também dessa força de transmutação que é Exú.

Castiel Vitorino Brasileiro é artista visual, macumbeira e psicóloga formada em Universidade Federal do Espirito Santo/UFES em 2019/2. Atualmente é mestranda  no programa de Psicologia Clínica da PUC-SP.

You May Also Like
Leia mais

“Conversas entre manas”: Por um Transfeminismo abolicionista anti racista

Miss Major e minha amiga Selen não usam a linguagem de Transfeminismo, ela praticam trans feminismo abolicionista encarnado, assim como várias de nós, dentro das nossas diferentes lutas mas também dentro dos nossos privilégios, especialmente forçando nossa presença em espaços de elite como a academia, e também educando, sim, por meio da linguagem do Transfeminismo.