Festa Africana X Festa Alemã

Por Sara Joker para as Blogueiras Negras

No mês de junho fui a tão conhecida Festa Africana aqui em Juiz de Fora. Ela já acontece há 15 anos, é feita por alunxs intercambistas de vários países da Festa Africana África, pela Universidade Federal de Juiz de Fora e pela prefeitura de Juiz de Fora. Me interessei em ir a festa por inúmeros motivos, um deles foi para conhecer costumes musicais e alimentares da cultura africana. Como também já fui a tão conhecida Festa Alemã aqui em Juiz de Fora. O curioso é que em apenas uma eu senti um certo estranhamento. E foi na Festa Alemã, em 2009 fui a essa festa e me senti tão “peixe fora d’agua”! A cultura alemã não me representa e não representa a maioria dxs moradorxs de Juiz de Fora. A comida é gostosa mas não lembra tempero brasileiro, assim como as danças também foram um tanto estranhas. Sim, culturas diferenciadas, países totalmente diferentes, Brasil e Alemanha.

Festa Africana - arquivo pessoal.
Festa Africana – arquivo pessoal.

Porém, na Festa Africana eu me senti em casa! O tempero dos pratos eram bem próximos ao nosso paladar, as músicas são mais próximas ao samba e ao axé. O que me deixou curiosa foi notar como algumxs brasileirxs se enxergam tão distantes da cultura africana!

Conversando com um amigo africano que mora aqui no Brasil, falei de como xs brasileirxs valorizam a cultura, costumes e descendência europeia, esquecendo que nosso país têm uma mistura muito maior que apenas culturas europeias, somos miscigenação de europeixs indígenas e africanxs. Nossa cultura é apenas de valorização dx colonizadorx, religiões, arte, música e vestimentas. Colonizadx e escravizadx são culturas “excêntricas” e “exóticas”. As religiões de matriz negra (como falei no meu primeiro post) são vistas com preconceito e de forma risível. Ícones de beleza são brancos e brancas, ícones sexuais são negros, negras e índias. Relação de séculos de dominação nos faz enxergar dessa forma, nem notamos que a festa africana é mais nossa casa que a festa alemã! Rever nossa preferência cultural pela Europa é rever o racismo que enfiaram goela abaixo, que nos ensinaram a cultivar sem nem pensar sobre.


Sara Joker é feminista, artista, quadrinista, bissexual, mulher, negra de coração e cantora nas horas vagas.


Acompanhe nossas atividades, participe de nossas discussões e escreva com a gente.

RssGrupo de discussãoPágina no facebookTwitterGplusEmail

You May Also Like
Leia mais

O lado de cima da cabeça

A democratização da comunicação é uma luta concreta de estudantes e cidadãos que sabem quão importante isso é e seria para a população. Afinal quanto mais crítica a sociedade for, menos desigualdades sociais teremos. O fato é que a “corte brasileira”, detentores das mais poderosas empresas, não fazem a mínima questão de ter uma população pensante.
Atriz norte-americana Azie Dungey em seu figurino de escrava, durante o período que trabalhou como atriz na propriedade de George Washington. Crédito: Azie Dungey
Leia mais

Humor negro é o que combate o racismo

Além de “humor negro”, outras expressões como “lista negra”, “magia negra”, “ovelha negra”, “mercado negro” ou até mesmo “o lado negro da força” sempre nos fazem remeter a palavra negra/negro como algo ruim. São expressões usadas no cotidiano e com certeza alguém virá dizer que isso não é racismo cultural, que a cor preta é a ausência de cor, logo é utilizada para expressar o que está escondido nas sombras. Poderia questionar esse “escondido nas sombras”, mas será mesmo que não há nenhuma associação? Nossa língua é viva e perpetua-se pelo tempo de acordo com os usos que as pessoas fazem dela. Se uma palavra recebe constantemente uma conotação que a desvaloriza, como se sentem as pessoas que se identificam com ela?
Leia mais

Um Egito Negro incomoda muita gente

Usurpar patrimônio africano não basta, também é necessário embranquecer seus sujeitos. Tanto na série José do Egito (atualmente em reprise pela Record) quanto em Êxodo: Deuses e Reis as personagens são majoritariamente brancas. Os realizadores são incapazes de reconhecer que todo um complexo sistema de crenças, filosofia, arte, arquitetura, astronomia e medicina são coisas de preto. Qualquer movimento diferente disso, mesmo a simples hipótese de que os antigos egípcios era negros, é vandalismo demais para aguentar.