Juntas somos mais fortes

Esse é meu primeiro texto, não sei se irei fazê-lo bem, mas uma coisa eu já aprendi com mulheres que admiro muito e que foi sintetizada pela seguinte frase dita por uma blogueira negra em uma roda de conversa, que dizia mais ou menos assim, que “toda a história é importante e merece ser contada, escrita”

Esse texto tem caráter de desabafo e expressarei sentimentos e angústias. Sou uma mulher negra em um complexo e conflituoso processo de empoderamento.

Ingressei em uma Universidade Pública no interior de São Paulo no ano de 2011 e no segundo semestre do curso comecei a militar no movimento estudantil, ler e conviver mais com pessoas que debatiam a questão de gênero e posteriormente, a questão racial.

Neste meio tempo percebi várias coisas que me angustiavam e ainda continuam me angustiando e revoltando, entre elas a não escuta de nossas vozes e a despreocupação por parte de algumas organizações não negras com a questão do protagonismo e lugar de fala.

Os diálogos começaram a ficar cada vez mais conflituosos e eu comecei a explicitar meu descontentamento e revolta por alguns discursos que muitas vezes deslegitimavam e até mesmo negavam nossas falas, nossas pautas específicas e não garantiam a escuta de outras vozes que não fossem a de militante com eloquência e muitas vezes com um programa partidário na ponta da língua.

Eu, mulher negra quero ser ouvida, sem o mesmo blá blá blá de igualdade, de que por que “sou de esquerda não sou racista, machista”, “acho que você exagera no debate sobre a questão racial” ou “somos todas mulheres! você está dividindo a luta”. Sabemos que o que divide o movimento é o racismo, o machismo, a homofobia, lesbofobia, transfobia, o não reconhecimento de privilégios, que na maioria das vezes podem ser chamados de DIREITOS que estão postos nesta sociedade

Posteriormente, comecei a participar de um coletivo que discute as questões raciais e foi ai que eu percebi que racismo dá conta de fazer coisas impensáveis por mim até o momento. O que mais me assustou e incomodou é que mesmo dentro de um grupo negros e negras que debate a questão racial, a hierarquização, o que era ser uma “negra bonita”, ter o black “mais bonito e desejado”, ser a preta “bafo” conseguia invadir o espaço, na maior parte das vezes por comentários feitos por pessoas brancas em festas quando algumas mulheres negras estavam juntas. Segue algumas frases que cansei de ouvir de brancos e brancas (muitos de esquerda revolucionária): “Por que você não define seus cachos”, “Por que você não deixa de cabelo igual ao de tal pessoa? “Nossa! Acho ela uma das negras mais bonita da festa, ela tem uns traços finos” …

Um detalhe importante é que não era por mera coincidência que recebiam, os elogios, eram as que tinham traços socialmente mais aceitos. Aproveito para enegrecer aqui que em nenhum momento estou dizendo que estas são menos negras, sofrem menos com o racismo. Isso é um tremendo equívoco, para não dizer outra coisa.

Em contrapartida não podemos negar os processos históricos, a tentativa de embranquecimento do país e de extermínio da população negra que estão colocadas até os dias de hoje e que por vezes ter mais traços que se aproximam do branco, do considerado mais belo, humano, digno de receber amor… Te possibilita transitar entre os dois mundos com poucos e certos e (poucos) privilégios. Repito, o racismo continua a atacar essas mulheres negras, mas elas podem chegar até um ponto, que é definido pelo opressor, como vemos na mídia que seleciona mulheres negras em sua maioria com traços mais “finos” e magras para que atuem em papéis, lugares e que reforcem representações sociais que sempre foram impostas as negras.

Meu sofrimento e revolta aumentaram ao descobrir que o racismo consegue agir de maneira a desunir, insensibilizar-nos, com as dores de nossas irmãs, atrapalhar o diálogo, a querer provar quem sofre mais…

É necessário dizer que temos sim singularidades, outras lutas para além da antirracista, mas que nos fortaleçamos pelo que nos une.

Irmãs, independente da textura do seu cabelo, da largura de seu nariz… TAMO JUNTAS!

 

Imagem destacada: Linoca

You May Also Like

O feminismo negro é absolutamente incompatível com a transfobia

Que fique enegrecido: nós Blogueiras Negras entendemos que o feminismo negro, mesmo em suas diversas manifestações, é absolutamente incompatível com a transfobia. Acreditamos que não seja complicado entender que nossas mulheres são atingidas por ela, tem sua existência negada, sua humanidade diminuída simplesmente por serem transexuais e por serem negras, uma superposição de identidades que cria um eixo único de violências. Às mulheres negras cis só existe uma possibilidade nesse sentido: sermos aliadas.

De preta pra preta, a vida é menos solitária

Muitas vezes falhamos, muitas vezes nos falta o reflexo pra perceber que aquela irmãzinha não está sorrindo tanto, ou que ela precisa que alguém esteja do seu lado só pra dizer: ‘estou aqui!’ Muitas vezes nos falta dizer o quanto achamos nossa irmã preta linda e nos preocupamos com ela. Porque essa relação, essa solidariedade, essa irmandade muda nossa disposição de encarar a vida e nossa solidão se torna menor.