Mesa Farta, casa em festa

Por Charô Nunes paras as Blogueiras Negras

Relato do I Encontro das Blogueiras Negras de SP

Nosso primeiro encontro aconteceu nesse sábado em São Paulo.

O cenário foi a Cozinha da Matilde, lugar de sonhos para insiders da Vila Madalena, que oferece uma série de atividades delícia para quem quer aprender sobre culinária com poesia e bom humor, rolês fotográficos, etc. Obrigada Letícia Massula (que conheci através da comunidade luluzinhacamp) pela generosidade em nos receber e deixar completamente à vontade! E agora vamos para a parte cozinha e a demonstração de moqueca vegetariana com a blogueira negra, chef, jornalista e maravilha Larissa Januário e sua irmã Vanessa.

Aprendemos muitas coisas. Primeiro que a Larissa deveria ter um canal no youtube. Que a moqueca é um prato tipicamente afrobrasileiro, super fácil, barato, delicioso. Que o azeite de dendê não deve ser aquecido. Como se tira pele de pimentão, que tomate também é um produto sazonal. Que o sal deve ser colocado no começo da preparação. Que existe uma coisa chamada mise en place, sobre a ordem de adicionar os ingredientes na preparação para que cozinhem por igual, dos mais macios aos mais firmes. Que precisamos de mais chefs negras no mercado de trabalho. Que o estereótipo da Tia Nastácia precisa ser superado.

A mesa foi farta e a conversa foi pura festa e reflexão. Diversos aspectos do universo da mulher negra foram contemplados. A infância, o primeiro alisamento , a carreira, a faculdade, a maternidade. A chegada das crianças e a vontade de repensar sua própria negritude para poder transmiti-la. Os efeitos do racismo em nossos corpos, mentes e trajetórias profissionais. A existência de espaços em que não somos benvindas, que nos são proibidos até hoje.

Relembramos uma época em que racismo não era crime. Repensamos os momentos em que o preconceito acontece dentro de casa contra o parente que não é branco. A complexidade envolvida se você tem pais negros e brancos. Tivemos o prazer de receber a visita de uma pesquisadora norte-americana que nos contou que muito do que discutimos é partilhado por mulheres negras do lado de lá do equador.

E como todo encontro de blogueiras tem aquele momento fofura ainda, precisamos apresentar a blogueirinha negra mais jovem entre as participantes. Agradecemos a permissão da mamãe em publicar sua imagem.

Jade Freitas Ravelli
Jade, filha de nossa companheira Alexandra Freitas Ravelli
Fotografia de Zaíra Pires

Sobre o feminismo negro, a conclusão é que ele existe porque nós existimos. Houve relatos sobre a sensação de que em outros espaços não acontece automaticamente o sentimento de pertencimento, sobre a dificuldade que o feminismo branco tem de se debruçar sobre nossas demandas, de entender que suas bandeiras tem o rosto da mulher negra. Ficou evidente a necessidade de estarmos reunidas, que tudo se encaixa.

Pena foi a hora de irmos embora com aquele gostinho de queremos mais.

Mas não há de ser nada não, em breve tem mais. Promessa!

You May Also Like
Leia mais

Uma bunda na foto vale mais que uma arara!

Ao ler os comentários sobre o episódio dessa chamada de brasileiras para casamentos com gringos através do site do Huck, só consigo pensar em como nós brasileiras ainda somos vistas no nosso próprio país: mercadorias com bundas do tamanho P, M e G. Não sou macaca, minha bunda não é internacional, Brasil não é cartão postal de bundas e a mulher brasileira não esta à venda!
Leia mais

Ubuntu para quem é de ubuntu

Sobre o argumento de que a série é o espaço onde as atrizes e atores negrxs teriam a ocupar e que a não renovação de contrato para produção da mesma diminuiria o espaço da comunidade negra na teledramaturgia brasileira, a pergunta principal é: o espaço dx negrx na teledramaturgia brasileira já não é limitado a realizar papéis segundo alguns esteriótipos?