Novamente a escola brasileira protagoniza o racismo

Até quando nossas escolas protagonizarão esse retrocesso? Até quando a imagem da mulher negra será posta como engraçada e como motivo de deboche nos espaços educacionais?

Entristece reconhecer que o espaço que tem como objetivo ser crítico e problematizador ainda (arcaicamente e ignorantemente) reproduz a apropriação cultural e a depreciação do povo negro, principalmente quando reforça a objetificação da mulher negra.

Profissionais da educação ignoram a essência e a razão dos questionamentos lançados à sociedade a fim de repensar seu posicionamento diante de caricaturas, da etimologia de algumas palavras, da real situação do povo negro no Brasil e de seu importante papel na superação das desigualdades entre brancos e negros.

Se a escola não avançar sobre isso, quem vai?

Uma escola do Distrito Federal vive essa contradição ao ter em sua comemoração junina a personagem da nega maluca representada na festa por uma professora com sua pele branca pintada de preto (o famoso Black Face), como demonstram as fotos.

nega maluca

Talvez a escola citada não tenha questionado a origem do Black Face ou da Nega maluca -1° equívoco- ao tê-la como personagem em sua festa, ou não trabalhe as questões de raça pautadas na Lei 10.639/2003 -2° equívoco-, ou ainda não tenha achado motivos para não ter uma pessoa branca pintada de preto em sua festa -3° equívoco.

Não só a escola desta reportagem, mas outras escolas pelo Brasil protagonizam o racismo, o fascismo, a homofobia e o preconceito. Até quando nossas escolas protagonizarão esse retrocesso? Até quando a imagem da mulher negra será posta como engraçada e como motivo de deboche nos espaços educacionais?

Chama à atenção o fato de ser um/uma profissional da educação ao postar as fotos, divertir-se na oportunidade e postar em uma rede social de ampla divulgação e de modo público, o que nos traz a reflexão sobre a certeza de que nada seria feito e que esse é mais um ato corriqueiro e banal no país que ainda insiste em negar suas origens e o racismo enraizado em suas práticas.

Em um momento de ataque aos nossos direitos sociais, nos perguntamos qual a profundidade das reflexões sobre racismo pautadas nas nossas escolas. É triste, é atual e precisamos nos posicionar. Racistas, não passarão!

You May Also Like

A policia bate, espanca, mata muito mais a minha cor do que a sua

Eu tô falando com vocês que estão ávidos pela redução da maioridade penal. Eu tô falando com vocês que não veem cor, que não veem classe social. Que querem justiça independentemente de cor ou classe. Vocês precisam entender de uma vez por todas que se vocês se negam a enxergar e negam todo um contexto social que a polícia não nega. Alias, a polícia sabe direitinho a quem abordar, como abordar, e o que fazer quando a abordagem dá errado.
Leia mais

“Se não usar desodorante, fico com cheiro de neguinha”

Negação + racismo velado são o que mais me preocupa nessa luta contra o racismo. Encobrir essa violência, negando-a desesperadamente, baseando-se na “supremacia” de ser só quem você é mesmo (nenhum desses que citei é antropólogo, historiador, sociólogo, nada disso) talvez me pareça o pior face do racismo, porque tenta calar uma dor que nenhum deles sofreu e jamais vai sofrer.