A solidão que me cabe

Sou preta e só me cabe a solidão.
Não vou namorar, não vou dormir de conchinha, não vou ganhar massagem.
Não vou beijar no cinema, não vou ter a nossa musica, ninguém vai carregar minha bagagem.

Não vou andar de mãos dadas, nem ter em quem me agarrar num filme de terror.
Não vou ver aquele brilho nos olhos de quem ama e ninguém vai pegar pra mim um remédio pra minha dor.
Por ser preta eu não mereço o amor.

Vou trabalhar durante o dia e voltar para uma casa vazia.
Vou deitar na cama e ocupar todos os espaços.
Não vou poder contar pra ninguém o motivo do meu cansaço.
A solidão já é minha amiga, andamos juntas amarradas por um laço.

E de tanto doer já não dói mais, o que fica agora anestesia.
Mas é mentira, eu me engano, me iludo, eu fujo, ignorando esse buraco.
Pensando que um dia essa dor alivia.
Mas não alivia, não passa, não cura, só o amor cura, mas quem ama a preta?

Ninguém. Quem sabe um dia…

É uma vida sem amor, é uma vida sem paixão.
Não me cabe o amor, me cabe apenas a solidão.

Imagem de destaque – Hdwpics

You May Also Like

Da radicalidade da militância negra. Ou sobre aprendizagens.

É uma acusação comumente direcionada também aos debates de gênero, acusando ambos de construir rivalidades e tensões desnecessárias, como se o debate inventasse as disparidades e iniquidades que nos levam a ele, o que é preocupante para mim. Não só por perceber que, apesar de combatida, a radicalidade ainda é uma representação social habitual, como um entrave à compreensão das diversas frentes de lutas nas quais é preciso estar para combater o racismo, um dado que representa demérito em uma sociedade que já foi representada a partir da cordialidade e parece insistir em se retratar assim. Mas também porque a confiança que diversas vezes esses comentários – por vezes sussurrados – parecem significar, indica que, provavelmente, eu demonstro ser da ala das moderadas, da ala das que compreendem que “a radicalidade não é o caminho”.