A solidão que me cabe

Sou preta e só me cabe a solidão.
Não vou namorar, não vou dormir de conchinha, não vou ganhar massagem.
Não vou beijar no cinema, não vou ter a nossa musica, ninguém vai carregar minha bagagem.

Não vou andar de mãos dadas, nem ter em quem me agarrar num filme de terror.
Não vou ver aquele brilho nos olhos de quem ama e ninguém vai pegar pra mim um remédio pra minha dor.
Por ser preta eu não mereço o amor.

Vou trabalhar durante o dia e voltar para uma casa vazia.
Vou deitar na cama e ocupar todos os espaços.
Não vou poder contar pra ninguém o motivo do meu cansaço.
A solidão já é minha amiga, andamos juntas amarradas por um laço.

E de tanto doer já não dói mais, o que fica agora anestesia.
Mas é mentira, eu me engano, me iludo, eu fujo, ignorando esse buraco.
Pensando que um dia essa dor alivia.
Mas não alivia, não passa, não cura, só o amor cura, mas quem ama a preta?

Ninguém. Quem sabe um dia…

É uma vida sem amor, é uma vida sem paixão.
Não me cabe o amor, me cabe apenas a solidão.

Imagem de destaque – Hdwpics

You May Also Like
Leia mais

Depois do Outubro Rosa e do Novembro Azul: o genocídio da Consciência Negra

Passou-se quase um mês da chacina ocorrida em Belém na madrugada de 5 de novembro, na qual foram divulgadas 11 mortes. Naquela madrugada pouca gente dormiu nos bairros do Guamá, Jurunas, Sideral, Marco, Tapanã e, especialmente, na Terra Firme. Semelhanças entre os bairros? Periferia. População residente nos três locais: predominantemente negra. A chacina mirou quem? A juventude. Eis a consciência negra lavando ruas e calçadas com sangue. É essa a ação do Estado para combater a enfermidade.

Editorial – O racismo (des)velado ou Quantas bananas vc quer pra deixar essa estória pra lá?

Nesse caso se aplica uma famosa máxima, só que de um jeito bom – eles não sabem com quem estão mexendo. Sozinho, Thiago Ribeiro conseguiu que tantos racistas deixassem o anonimato que dá até gosto de se ver num país que não reconhece seus privilégios e desigualdades. Ele fez o convite – “Este espaço é destinado a Racistas. Entre, fique à vontade e tire sua máscara! Você não está sozinho!” e muitos atenderam prontamente. É o espetáculo do racismo desvelado, avatar por avatar. Pensaram que iriam calar a vítima com seu rugido. Ledo engano. Apenas demonstraram sua fragilidade diante Oxaguian, esse que habita os corpos daqueles acostumados desde sempre a matar um leão por dia.

Sororidade negra: laços invisíveis

Quando já não há palavras que deem conta de expressar o que sentimos quando vemos nossas irmãs sofrerem, ou mesmo quando vemos em seus olhos o brilho de satisfação de alguma conquista (que nos é tão caro e precioso), quando não nos cabe no peito a dor que sentimos pelas nossas irmãs ofendidas, ou a alegria imensurável que nos toma o corpo quando uma outra preta chega onde muitas de nós não conseguiremos porque diariamente os grilhões do racismo tende a nos aprisionar, só nos restará a sororidade negra, laço este de irmandade que servirá como o nosso amuleto de sorte, e a bala de canhão necessária para proteger umas as outras, e nos protegermos do mundo.
Leia mais

No mês da consciência negra, nenhuma novidade: mata-se gente preta

Belém surgiu nos TTs do Brasil de uma mídia social. Figurou entre o quinto e o terceiro lugar com a hashtag #ChacinaemBelem. O Estado contabilizou 10 mortos, incluindo o pm. A favela ainda está contabilizando os corpos, além de contabilizar décadas de baculejo, interdição e rejeição. A polícia policia a favela. E quem policia a polícia?