Um dilema de liberdade no mundo real

Hoje para mim, ser livre tem ganhado todo um novo significado. Arriscar, colocar-me perante a tudo e todos como sou e nada menos que isso. Não acho que muitos entendam, mas é o que tenho para dar.

Eu enquanto mulher, negra, feminista, estudada, formada na vida e na academia, quão livre posso ser? Pergunta estranha essa. O quão livre eu sou, para fazer minhas próprias escolhas sem temer a opressão do mundo?

Não me entendam mal, mas todas nós sabemos o quão difícil é a opressão que sofremos. Em um grau maior ou menor temos todas isso em comum, a dor do olhar ao seu cabelo, o suspiro de vadia no canto do ouvido, da dificuldade de se posicionar frente a homens que quase sempre se julgam de certa maneira maiores que você, não importa o quesito em questão.

Sempre que me vejo na posição de seguir meus instintos, meus desejos, minhas verdades, bato nesse muro: O que diabos pensarão de mim? Será que me verão como sou, uma pessoa livre e que simplesmente é verdadeira com o que sente, conhece, acredita e deseja? Ou será que me verão como parte (infelizmente majoritária) da sociedade me veria? Abusada, atirada, inconsequente, imoral, não merecedora de respeito (o que é na verdade meu maior medo). Adjetivos fortes para se julgar, e tão levianamente utilizados por aí.

Hoje para mim, ser livre tem ganhado todo um novo significado. Arriscar, colocar-me perante a tudo e todos como sou e nada menos que isso. Não acho que muitos entendam, mas é o que tenho para dar.

Vejo em muitas companheiras, amigas, conhecidas e desconhecidas o exemplo de felicidade e coragem que quero para mim, e é nisso que me agarro sempre. Sejamos livres juntas, buscando nossa felicidade e nos apoiando em todo momento. Temos que contar com essa esperança.

Uma coisa em comum que vejo em todos os grupos feministas que fiz e faço parte é justamente isso. O desejo de sermos livres juntas, sempre. Acredito firmemente que a união é fundamental, uma necessidade, precisamos sempre fortalecer nossos laços de apoio.

Como podem perceber desde sua frase inicial, esse texto de longe se propõe a ser uma verdade. São dúvidas que tenho e sinto a necessidade de compartilhar, discutir e esclarecer (caso seja possível).No fim, pode ser somente mais um sonho de liberdade perdido no mundo. Vamos desenvolvendo nos próximos textos.

3 comments
  1. Oi Luiza, sou roza e sou trans. Amei seu texto e me identifiquei bastante, ele falou de coisas que eu ando sentindo nos últimos dias. Tenho um blog e tava querendo escrever sobre essas sensações e ler o seu texto foi o toque final pra me ajudar a completar meu raciocínio. Tô te citando lá como ajuda e botei o link do teu texto também! Brigada! Beijos!

    Aqui tá o link do meu texto : http://rozatrans.wordpress.com/2014/10/29/meus-ultimos-quatros-dias-sensacoes-libertacoes-e-inspiracoes-obrigada-a-luiza-nascimento-braga-do-blogueiras-negras-por-seu-texto-um-dilema-de-liberdade-no-mundo-real-que-me-ajudou-a/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

Uma bunda na foto vale mais que uma arara!

Ao ler os comentários sobre o episódio dessa chamada de brasileiras para casamentos com gringos através do site do Huck, só consigo pensar em como nós brasileiras ainda somos vistas no nosso próprio país: mercadorias com bundas do tamanho P, M e G. Não sou macaca, minha bunda não é internacional, Brasil não é cartão postal de bundas e a mulher brasileira não esta à venda!
Leia mais

Bem vindos ao Brasil colonial: a mula, a mulata e a Sheron Menezes

Sim, sabemos que 125 anos se passaram e a escravidão acabou, porém as suas práticas continuam bem vindas e são aplaudidas por muitos de nós na novela das nove e no programa do Faustão, “pouco original, mas comercial a cada ano”. No tempo da escravidão, as mulheres negras eram constantemente estupradas pelo senhor branco e carregavam o papel daquela que deveria servir sexualmente sem reclamar, nem pestanejar e ainda deveria fingir que gostava da situação, pois esse era o seu dever. Hoje nós, mulheres negras, continuamos atreladas àquela visão racista do passado que dizia que só servíamos para o sexo e nada mais.