Leia mais

“Liberdade para mim é isto: não ter medo”: 25 de julho é dia das outsider whithin

Este editorial, hoje, é uma tentativa de reforçar a importância do Feminismo Negro, é por meio dele que contamos as histórias das “mulheres forasteiras” da normatividade estabelecida pelo processo colonizatório dos países europeus. Ele é nossa ferramenta de luta para que possamos um dia viver a liberdade de não ter medo.
Leia mais

Depois do Outubro Rosa e do Novembro Azul: o genocídio da Consciência Negra

Passou-se quase um mês da chacina ocorrida em Belém na madrugada de 5 de novembro, na qual foram divulgadas 11 mortes. Naquela madrugada pouca gente dormiu nos bairros do Guamá, Jurunas, Sideral, Marco, Tapanã e, especialmente, na Terra Firme. Semelhanças entre os bairros? Periferia. População residente nos três locais: predominantemente negra. A chacina mirou quem? A juventude. Eis a consciência negra lavando ruas e calçadas com sangue. É essa a ação do Estado para combater a enfermidade.
Leia mais

No mês da consciência negra, nenhuma novidade: mata-se gente preta

Belém surgiu nos TTs do Brasil de uma mídia social. Figurou entre o quinto e o terceiro lugar com a hashtag #ChacinaemBelem. O Estado contabilizou 10 mortos, incluindo o pm. A favela ainda está contabilizando os corpos, além de contabilizar décadas de baculejo, interdição e rejeição. A polícia policia a favela. E quem policia a polícia?
Leia mais

“Elas nem estudam, como querem cotas?”

E ao contrário do que a competência racista tenta convencer: cotas raciais nada têm a ver com competência ou inteligência. Não estamos buscando mostrar que somos mais capazes do que qualquer outra raça. As cotas existem porque a dívida desse ESTADO é secular e as ações afirmativas são o começo do caminho de reconhecimento da marginalização que nos impuseram.