Não fui selecionada. Por que será?

Ainda curiosa, saí do shopping Morumbi e fui até o Market Place. Pra quem conhece, sabe que ficam praticamente de frente um para o outro. Passei pela AREZZO, entrei e fiquei observando por alguns minutos. Sai e resolvi voltar pra casa. Como moro pertíssimo do shopping Jardim Sul, resolvi entrar passar na loja da mesma que aqui cito. Chegando em casa, ainda muito pensativa, conclui: não havia sequer uma funcionária NEGRA nas lojas onde fui.

Participei de uma entrevista na empresa Global Empregos para uma vaga temporária em Shopping da Zona Sul de São Paulo (Morumbi, Jardim Sul, Market Place …).

Quando fui chamada para entrevista, fiquei muito animada porque seria para trabalhar na loja da AREZZO, da qual sou há muito tempo consumidora e pelo fato de ser uma vaga temporária também, visto que curso Direito e durante o semestre me vejo muito sobrecarregada pela faculdade, não podendo assim trabalhar em horário de shopping pois tomaria muito meu tempo. Como estou de férias, me escrevi porque preenchia todos os requisitos para a vaga, principalmente no quesito experiência.

Chegando lá, me deparei com uma ficha de inscrição à qual pediam para eu descrever sobre minhas experiências (que são muitas) e antecedendo a isso,logo quase no início,pediam a minha COR e meu PESO. Naquele momento já comecei a olhar tudo com outros olhos. Porque a minha cor e meu peso seria relevante para um processo, será porque trabalharia com vendas diretas com clientes? Coloque a minha cor: NEGRA e meu peso que está um pouco acima do socialmente aceito por essa sociedade cada vez mais doente pela ditadura da beleza. Entreguei a ficha. Aguardei e fui chamada.

Minha entrevista durou menos de 10 minutos. A selecionadora havia me dito que enviaria minha ficha para o cliente, no caso a AREZZO e se meus requisitos tivessem dentro do que o cliente (AREZZO, repito) EXIGIU, entrariam em contato e que caso a empresa (Global) não o fizesse em até 24 horas, seria porque não estava dentro do que foi pedido pela AREZZO. Saindo de lá, já com a pulga atrás da orelha, fui da uma volta no shopping Morumbi pois moro perto e passei pela AREZZO.  Entrei, escolhi um sapato e comecei a observar com olhos mais críticos, comprei o tal sapato pra não ter feito a vendedora perder seu tempo, pois meu intuito não era prejudicar ninguém.

Ainda curiosa, saí do shopping Morumbi e fui até o Market Place. Pra quem conhece, sabe que ficam praticamente de frente um para o outro. Passei pela AREZZO, entrei e fiquei observando por alguns minutos. Sai e resolvi voltar pra casa. Como moro pertíssimo do shopping Jardim Sul, resolvi entrar passar na loja da mesma que aqui cito. Chegando em casa, ainda muito pensativa, conclui: não havia sequer uma funcionária NEGRA nas lojas onde fui.

Tive a curiosidade de pesquisar na internet e encontrei um suposto caso de racismo em uma loja em Belo Horizonte. PASMEM! Espero esclarecimentos dessa loja de quem durante ANOS fui consumidora. Qual a relevância de se perguntar a COR e o PESO de uma pessoa para processo seletivo de suas vagas? Candidatas BRANCAS e NEGRAS têm o mesmo peso pra vocês? E por fim, como já esperava depois de ver tais perguntas na ficha do processo, NÃO FUI SELECIONADA mesmo morando pertíssimo de todos esses shoppings e possuindo experiência. Porque será?

#QueroExplicação #RacistasNãoPassará #AREZZORacista??

Imagem de destaque – reprodução web.

You May Also Like

Amor e Luta: A mulher negra que sempre fui e não sabia

Tomei consciência do que aconteceu e ocorre com os meus irmãos. Que quantas Neirieles estão limpando bunda de neném ou servindo mesas por ai sem perspectiva nenhuma de futuro. Que meu cabelo crespo é lindo e é como música a que gosto. Só serve com o volume alto! Foram 4 anos de muita peleja e aperto e diante disso, como ter outras mulheres negras, na mesma condição que você, faz com que o caminho fique mais suave.

Sinto muito, Hanna Cristina

Vamos chorar no Hino enquanto derramam lágrimas mais verdadeiras, muito mais doloridas. Espero que eles tenham algum conforto, algum dia. Que consigam reestruturar suas famílias, lidar com a dor da perda e a revolta com a irresponsabilidade. Que os gritos de gol não incomodem seu silêncio de luto. E que o cruel e absurdo vídeo que está circulando não chegue até eles… Respeito.