Obrigada Carolina Maria de Jesus

Segundo as autoras de Muito bem, Carolina!, a escritora é descrita por seus contemporâneos como uma mulher geniosa, inquieta, explosiva, atrevida, petulante, ousada, corajosa, arredia, rebelde. Não parava em nenhum emprego era demitida ou se demitia, pois era “capaz de questionar e desafiar autoridades”. A audácia lhe rendeu o apelido de “língua de fogo”. Na favela era ela quem chamava a polícia quando havia algum problema e mediava as brigas entre os moradores, defendendo os mais fracos.

Carolina Maria de Jesus foi uma escritora mineira que viveu grande parte de sua vida na cidade de São Paulo e tornou-se famosa na década de 60 ao publicar Quarto de Despejo: diário de uma favelada (1960), em que narra o cotidiano de pobreza e fome vivenciado por si própria e demais moradores da favela do Canindé. Saiu de Minas gerais em direção a São Paulo, peregrinando de cidade em cidade, entre os dois estados, realizando trabalhos como doméstica ou babá e foi exatamente como empregada doméstica que chegou à cidade onde viveria até o fim de sua vida.

Na capital paulista ganhava seu sustento e de seus três filhos, catando papéis. Era semi-alfabetizada, mas tinha enorme gosto pela leitura e pela escrita, lia os livros, jornais e revistas que catava nas ruas e separava o que poderia servir como caderno de notas, onde escreveu os diários mais tarde publicados. Além do já citado Quarto de Despejo, assim intitulado, pois dizia ser a favela o quarto de despejo da sociedade brasileira, publicou também Casa de Alvenaria (1961) e Pedaços de fome (1963) e ainda os livros póstumos Diário de Bitita (1986) e Meu estranho diário (1996). Seus livros foram traduzidos para mais de treze idiomas.

Segundo as autoras de Muito bem, Carolina!, a escritora é descrita por seus contemporâneos como uma mulher geniosa, inquieta, explosiva, atrevida, petulante, ousada, corajosa, arredia, rebelde. Não parava em nenhum emprego era demitida ou se demitia, pois era “capaz de questionar e desafiar autoridades”. A audácia lhe rendeu o apelido de “língua de fogo”. Na favela era ela quem chamava a polícia quando havia algum problema e mediava as brigas entre os moradores, defendendo os mais fracos.

Em 2005 o Museu Afro Brasil homenageou a autora de Quarto de despejo ao nomear sua biblioteca com o nome da escritora negra. Embora haja dúvidas quanto à exatidão da data de nascimento de Carolina, em certidão consta o dia 18 de agosto de 1914. Faleceu em São Paulo em 13 de fevereiro de 1977.

Obrigada Carolina.

1543479_10203426329643444_1360217252_n

You May Also Like

Sinto muito, Hanna Cristina

Vamos chorar no Hino enquanto derramam lágrimas mais verdadeiras, muito mais doloridas. Espero que eles tenham algum conforto, algum dia. Que consigam reestruturar suas famílias, lidar com a dor da perda e a revolta com a irresponsabilidade. Que os gritos de gol não incomodem seu silêncio de luto. E que o cruel e absurdo vídeo que está circulando não chegue até eles… Respeito.
Leia mais

Por um feminismo plural: o ativismo de Lélia Gonzalez no jornal Mulherio

Sabemos que, por vezes, a relação entre mulheres brancas e negras no movimento feminista também é marcada por conflitos, tendo sido Lélia chamada por diversas vezes, durante sua militância de “criadora de caso”. Nesse sentido, as afro-brasileiras encontravam-se diante de uma encruzilhada. Se por um lado as implicações das reminiscências do período escravocrata na vida das mulheres negras ganhavam pouco espaço no movimento feminista, por outro, o pensamento machista e patriarcal do Movimento Negro impedia a inclusão do fator gênero no projeto político da organização.
Feminismo Negro
Leia mais

Luíza Mahin: o feminismo negro e o mito

Considerada uma das figuras de maior representatividade na memória do movimento negro, Luíza Mahin – mãe do poeta, advogado e abolicionista Luiz Gama – teria sido uma das líderes do Levante dos Malês, bem como participado de inúmeras revoltas de escravos ocorridas em Salvador nos anos de 1830. Luíza Mahin tem sido exaltada como referencial de luta pelo Feminismo Negro, que lhe tem dedicado homenagens diversificadas nas últimas três décadas, sendo portanto o principal responsável por sua difusão e manutenção no imaginário afrobrasileiro. Como forma de propagar a figura de Luíza Mahin, o Feminismo Negro utilizou inúmeros recursos, entre eles a literatura através de poesias publicadas nos Cadernos Negros e mais recentemente do romance Um defeito de Cor (2006) de Ana Maria Gonçalves. A primeira menção a Luíza Mahin foi feita na carta autobiográfica de Luiz Gama datada de 1880. Em 1933, Pedro Calmon publicou o romance Malês a insurreição das Senzalas situando Luíza Mahin como protagonista da Revolta dos Malês condição pela qual ela passou a ser reconhecida.

As 25 negras mais influentes da internet #25webnegras

Criar uma lista com as 25 negras mais influentes da internet brasileira é uma tarefa prazerosa porém árdua. O motivo é simples, somos muitas e extremamente competentes naquilo que fazemos, beijo no ombro. É como se cada nome representasse na verdade outras 50 mulheres. É por isso que diremos de antemão que muita gente ficou de fora por falta de espaço, claro. Não pretendemos que esse encargo seja definitivo apesar de todo esforço para que fosse representativo.