Entrevista com Lourdes Teodoro

TEODORO, M. L. Identidades Culturais e Diversidade Étnica: Prática em Literatura Comparada. São Paulo: Scortecci, 2015.
TEODORO, M. L. Identidades Culturais e Diversidade Étnica: Prática em Literatura Comparada. São Paulo: Scortecci, 2015.

Nesse campo, cada dia, tudo começa de novo e é bom que seja assim, sem certezas. Poder trabalhar com crianças, adolescentes e adultos negros não muda em nada a técnica de trabalho. O que há de novo e que é gratificante é ver que essas pessoas (em todas as idades) podem estabelecer uma relação transferencial com uma psicanalista negra: isso não tem preço.
Por fim, gostaria que você nos narrasse sobre a ocasião em que foi convidada por um grupo de professores do Centro de Ensino Fundamental Santos Dumont, em Santa Maria- DF, e como foi assistir os alunos cantarem o Hino à Negritude de Eduardo de Oliveira?

Passei um dia com professores, crianças e adolescentes dessa escola: fizemos juntos a refeição e comemos salada da horta que professores e alunos cultivam na escola. Ensinei a eles o Hino à Negritude, falamos de África e eles cantaram o Hino Nacional brasileiro e depois o Hino à Negritude, do querido amigo Eduardo de Oliveira (falecido), no pátio da Escola. Autografei meu livro Flores de Goiás em torno de muito interesse da turma. A timidez e o deboche dos adolescentes, ao início da leitura do hino, se transformou em alegria e compartilhamento de ideias no final. Foi emocionante viver isso.

Eu e as seguidoras do Blogueiras Negras queremos lhe agradecer por essa entrevista. Tenho consciência que essas perguntas não deram conta de englobar tudo que eu e elas queríamos saber sobre você, mas espero que tenha despertado a curiosidade delas em ler seus livros, artigos e poesias. Você gostaria de deixar alguma mensagem para nossas seguidoras?
Quero agradecer a você Luciene Rêgo e às Blogueiras Negras por essa incrível oportunidade de conversar com vocês e compartilhar um pouco do que sou e do que faço. Estou à disposição de vocês para voltarmos a conversar.

Para as seguidoras, deixo dois poemas:

a felicidade posta em questão
diante da alegria
de pequenos e vários
e múltiplos
momentos
cedeu.

Teodoro, Lourdes, Água-marinha ou tempo sem palavra, 1978

mas xangô, cadê?
o corpo
meu corpo
o meu corpo
disseram-no trágico;
adornaram mordaças, com labirintos em ferro
ao me ordenar silêncio.
um “objet trouvé”, ainda em ferro,
calaram-me os olhos
que falavam, que gritavam
provocavam sujas sedes brancas.
aos pés, as primeiras bolas
foram ainda em ferro.
ainda regateei
escapei
fiz “body art” em espinhos de capoeira
e veio a catarse:
ogun desceu devagarinho dentre as araucárias
levou-me todos os ferros pro seu reino
e disse: o corpo agora é teu!
vai ter com oxun pra te limpares dos brancos!
cadê? quem levou? mas xangô,
onde é que está o meu negão?”

Teodoro, Lourdes, Poemas antigos, Prefácio de Oswaldino Marques, segunda edição, no prelo.

Referências:

SOUSA Salomão; MIRANDA, Antonio. Lourdes Teodoro. In: Poesia Goiana. Disponível em: <http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/goias/lourdes_teodoro.html>. Acesso em: 23 ago. 2016.

DE OLIVEIRA, Eduardo. Hino à Negritude cantado por seu criador, Prof. Eduardo de Oliveira. Quilombhoje Literatura. Publicado em 04 jun 2014.

Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=VZxj-rMW1rw> . Acesso em: 29 ago. 2016.

TEODORO, M. L. Água-marinha ou tempo sem palavra. Brasília-DF: Edição da Autora, 1978.

TEODORO, M. L. A intensidade do branco no espectro cromático: ensaio sobre relações raciais no Brasil. Universidade e Sociedade (Brasília), Brasilia – DF, p. 113 – 124, 05 mar. 1991.

TEODORO, M. L. A l’ombre du figuier-fétiche. In: Jacqueline Leiner. (Org.). Soleil éclaté Mélanges offerts à Aimé Césaire à l´occasion de son soixante-dixième anniversaire. 1ed.Tübingen: Gunter Narr Verlag, 1984, v. 1, p. 401-403.

TEODORO, M. L.  A Onda. Alter: Revista de Estudos Psicanalíticos, Brasilia – DF, p. 177 – 180, 05 dez. 2010.

TEODORO, M. L. Art and cultural identity in Brazil. Revista do IEEE América Latina, New York, p. 102 – 122, 05 mar. 2010.

TEODORO, M. L. Da ideia freudiana de narcisismo primario à subjetivação. Brasilia – DF: Sociedade de Psicanalise de Brasilia, 2010. (Tradução/Artigo).

TEODORO, M. L. Encontro Ensino das Artes. Documento síntese. 1988. (Editoração/Anais).

TEODORO, M. L.  Elementos básicos das políticas de combate ao racismo brasileiro. In: MUNANGA, Kabengele. (Org.). Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. 1ed.São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Estação Ciência, 1996, v. 1, p. 95-111.

TEODORO, M. L. Ensino das Artes na Universidade. 2013. (Editoração/Livro).

TEODORO, M. L. Flores de Goiás. Brasília-DF: Edição da Autora, 1994.

TEODORO, M. L. Got To Speak: Rosa Parks and Obama´s Language. In: OJO-ADE, Femi. The Obama phenomenon: change we can!: essays and poetry by Black critics and creative artists. Africa World Press, 2011, p.123-145.

TEODORO, M. L. Identidade Cultural e Diversidade Étnica: Négritude africano-antilhana e modernismo brasileiro. São Paulo: Scortecci, 2015.

TEODORO, M. L. Identidades Culturais e Diversidade Étnica: Prática em Literatura Comparada. São Paulo: Scortecci, 2015.

TEODORO, M. L. Lourdes Teodoro. In: Rede de Palavras. São Paulo: Scortecci, 2015, v.2.

TEODORO, M. L. Literaturas africanas e diaspóricas: identidades e territorialidades. 2013. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

TEODORO, M. L. Meios de comunicação e representação da diversidade racial. In: Seminario: Meios de comunicação e representação da diversidade racial, 1998, Brasilia – DF. Seminario Meios de comunicação & diversidade racial. Brasilia-DF: Camara dos Deputados, 1998. p. 77-85.

TEODORO, M. L. Negritude e tigritude. Revista do IEEE América Latina, Brasilia – DF, p. 26 – 33, 31 mar. 1988.

TEODORO, M. L. O Tricentenário do Código Negro. Revista do IEEE América Latina, Brasilia – DF, p. 102 – 107, 05 mar. 1987.

TEODORO, M. L.

Prêmios:
2014
Membro fundador (Confreira) da ALANEG – Academia de Letras e Artes do Nordeste Goiano, em Formosa.
1995
Prêmio de Excelência Gráfica Jorge Salim, Sindigraf-DF (Sindicato das Indústrias Gráficas do Distrito Federal) e Abigraf-DF (Associação Brasil.
1995
Distinguished Leadership Award for Oustanding Contributions to Contemporary Society, The American Bioographical Institute.
1997
Medalha Mérito Feminino – universalidade, Instituto Internacional das Ciências e da Cultura Brasília-DF.
1997
Medalha Honra ao Mérito Zumbi dos Palmares, Congresso Nacional Afro-brasileiro São Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You May Also Like

As 25 negras mais influentes da internet #25webnegras

Criar uma lista com as 25 negras mais influentes da internet brasileira é uma tarefa prazerosa porém árdua. O motivo é simples, somos muitas e extremamente competentes naquilo que fazemos, beijo no ombro. É como se cada nome representasse na verdade outras 50 mulheres. É por isso que diremos de antemão que muita gente ficou de fora por falta de espaço, claro. Não pretendemos que esse encargo seja definitivo apesar de todo esforço para que fosse representativo.